Home

nara F

Olha, fique a vontade! Passe e repasse com esse álbum por mim.

Esse disco é a mostra do samba politico/urbano brasileiro. É seu primeiro disco pós o espetáculo Opinião de 65.  Vamos ouvir composições de Sidney Miller, Chico Buarque, Baden Powell / Vinicius de MoraesNoel Rosa de Oliveira / Anescar Pereira Filho / Walter Moreira, Paulinho da Viola / Casquinha, Jards Macalé, Elton Medeiro / Joacyr Santanna, Guilherme de Brito / Nelson Cavaquinho, Jair do Cavaquinho e Humberto Teixeira / Lauro Maia – excelentíssima musica brasileira.

Texto contra capa do álbum:

Muitos artistas brasileiros terão tido igual ou maior popularidade que Nara. Mas raro terá sido aquele em torno do qual se formou, como no caso de Nara, uma controvérsia interminável que, nos seus pólos extremos, coloca de um lado os louvores incondicionais e, de outro, os críticos implacáveis. Acreditamos que o tempo se encarregará de decantar os excessos de ambas as partes, o que não nos impede de constatar que esse choque de opiniões tão díspares tem uma causa concreta: a personalidade original de Nara dentro da música popular brasileira.
Nara tem, como cantora, uma voz peculiar, extremamente sensível, a que se casa um modo também pessoal de interpretação. Mas Nara não é apenas uma cantora. É também uma intérprete, entendendo-se por intérprete não a maneira própria de cantar, mas uma posição interpretativa, indagativa e seletiva em face da nossa música popular. Não sei se me faço entender, digo que Nara não se coloca passivamente diante da música popular, escolhendo para seus discos os sambas da moda ou aquelas composições que lhe parecem interessantes. Não. Ela está permanentemente debruçada sobre o acervo da música popular, do passado e do presente, a redescobrir nesse universo de emoções músicas que, de hoje ou de ontem, melhor exprimem o sentimento atual. Esta é a razão por que Nara tem desempenhado um papel de pioneira no lançamento de certos tipos de criação musical, bem como na ressurreição de velhas e deliciosas canções brasileiras. E Nara tem consciência disso: o seu último elepê intitulava-se “Canto Livre de Nara”. A liberdade, no plano humano, no plano artístico, no plano social, está nela como uma aspiração e um exercício permanente.
Nara foi a “musa da bossa nova” quando a bossa nova ainda era olhada com suspeita. Mais tarde, ela estava ao lado do que buscaram, para a bossa nova, raízes brasileiras mais profundas. E, nesse retorno às origens, Nara redescobriu que a bossa nova era apenas uma das formas atuais de cantar a alma do povo e que esse povo não tem só problemas afetivos e sentimentais. Esse povo tem também opinião. E ela deu o passo para lançar o samba político, que fala da luta do homem brasileiro, nos campos e nas cidades. O disco “Opinião” abriu caminho. Em breve todo munda grava música política. Através dessa descoberta, o samba foi para os teatros, foi cantado em coro por vastas plateias, das mais diferentes classes, identificadas pela verdade da música popular.
Mas Nara não parou aí. No fundo da música popular política está uma aspiração de liberdade e de felicidade que, indiretamente, se exprime no samba que fala do amor que nasce, do amor que morre, da beleza da vida, do sofrimento e da saudade. Nara compreendeu que, através de sua música, o povo exalta a vida, valoriza os seus sentimentos e suas conquistas, supera o sofrimento e bebe ali a esperança de uma vida melhor. Este disco, “Nara Pede Passagem”, é o resultado dessa nova descoberta. Aqui, ela junta o samba político à seresta e o samba-enredo da escola de samba a recentes criações da bossa nova, que se transforma. É essa liberdade de escolha e de comprometimento com o novo que define a personalidade de Nara como intérprete de nossa música popular.
Mas não se veja nisso a caracterização de Nara como uma espécie de ser excepcional ou bicho estranho dentro da nossa vida artística. É que através dela se manifesta um fenômeno novo na história do samba: a sua penetração de maneira profunda na população urbana dos grandes centros e em todas as classes. É certo que, de há muito, o samba é consumido pela classe média das grandes cidades. Mas hoje, graças à expansão dos veículos de comunicação de massas, a conjugação do rádio, da tevê, do disco e do teatro, a música popular brasileira atinge um público bem mais amplo e de maneira mais atuante, tornado-se, também, meio de expressão dos compositores jovens surgidos não apenas nos morros, mas em Copacabana e Ipanema. Essa revolução musical, que assusta os preservadores do samba autêntico, deflagra a polêmica, em cujo centro se encontra, como um dos principais veículos dessa integração, a figura inquieta de Nara. Ferreira Gullar

nara B

A unica lastima disso tudo é não saber os músicos que nos agradam com este áudio.

Regência:
Maestro Gaya
Engenheiro de Som:
Armando Dulcetti
Técnico de gravação:
Cálio Martins

OUVIR! Nara Leão – Nara Leão Pede Passagem – 1966

nl834

1. Pede passagem(Sidney Miller)
2. Olê, olá(Chico Buarque)
3. Amei tanto(Baden Powell / Vinícius de Moraes)
4. Palmares(Noel Rosa de Oliveira / Anescar Pereira Filho / Walter Moreira)
5. Recado(Paulinho da Viola / Casquinha)
6. Amo tanto(Jards Macalé)
7. Pedro pedreiro(Chico Buarque)
8. Quatro crioulos(Elton Medeiro / Joacyr Santanna)
9. Pranto de poeta(Guilherme de Brito / Nelson Cavaquinho)
10. Madalena foi pro mar(Chico Buarque)
11. Pecadora(Jair do Cavaquinho / Joãozinho da Pecadora)
12. Deus me perdoe(Humberto Teixeira / Lauro Maia)

 

Saioravá

logoradio.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s